Veterinária dá dicas para manter os pets mais seguros no inverno

:: Diário Regional em 16/07/2017 06:27 ::

Temperaturas mais amenas durante o dia, com quedas bruscas nas noites e madrugadas. Assim tem sido o inverno juiz-forano. E o sol, quando dá o ar da graça, aparece tímido e logo vai embora. Quem tem um animal de estimação em casa deve ficar mais atento, pois a médica veterinária, Cláudia Galvão Reis, ressalta que algumas viroses são mais recorrentes nesta época do ano em cães e gatos. “As doenças mais comuns causadas por vírus são a cinomose, que é de maior gravidade e causa lesão neurológica, normalmente irreversível; e a parvovirose, que ocasiona a gastroenterite”.

A médica ressalta ainda que outra doença causada por vírus que acomete os animais, sendo pouco conhecida, é a rinotraqueíte.

“Ela é popularmente chamada de ‘tosse dos cães’. A doença é causada por uma bactéria, e o animal apresenta como sintomas, além da tosse, espirros e secreção nasal. Em cães mais novos ou recém-nascidos, a situação pode evoluir para um quadro de pneumonia”, conta Cláudia, ressaltando que nos gatos a doença é ainda mais comum. “Além desta, há a calicivirose, uma inflamação que atinge o sistema respiratório ou as vias oculares dos felinos. No segundo caso, os gatos podem apresentar quadro avançado de conjuntivite”, explicou.

IDENTIFICANDO SINTOMAS

A médica ressalta que os donos devem ficar atentos caso o animal apresente convulsões, tremores musculares e vocalização (quadro no qual o animal emite diversos grunhidos durante a noite, como se estivesse chorando). “Esses sintomas são bem característicos da cinomose, que também pode ocasionar diarréia e vômito”, avalia Cláudia, acrescentando que, de forma geral, os indícios que sinalizam a necessidade de uma avaliação especializada são tosse, espirro, secreções nasal e ocular, diarréia, vômito, prostração e ausência de apetite.

ORIENTAÇÕES GERAIS

Cães e gatos devem ser vacinados a partir dos 45 dias de vida. “As vacinas obrigatórias atualmente são polivalente, antirrábica, e, mais recentemente, contra a gripe. Nos gatos, especificamente, devem ser ministradas a quádrupla ou quíntupla felina. Os donos também precisam se preocupar com o controle das doenças transmitidas pela mãe, que são a FELV (vírus da leucemia felina) e a FIV (vírus da imunodeficiência felina)”, explica.

A médica aponta que os agasalhos são uma boa forma de preservar a saúde dos animais em épocas de baixas temperaturas. “Hoje em dia existe uma grande variedade de roupas para cães e gatos, que auxiliam, sobretudo, aqueles de pelagem mais curta. Vale destacar que os animais que não estiverem com a vacinação em dia devem evitar locais aglomerados, pois as viroses são transmitidas por contato direto”, finaliza.

ANIMAIS EM SITUAÇÃO DE RISCO NAS RUAS

As pessoas que encontrarem algum animal em situação de rua, ferido ou causando algum tipo de transtorno à população, pode entrar em contato com o Canil Municipal por meio do telefone 3690-3591. O espaço, que abriga atualmente cerca de 500 animais, possui uma equipe de abordagem destinada à remoção de cães e gatos que estejam em situação crítica e vulnerável nas ruas.

Os interessados em realizar o acolhimento podem entrar em contato com o Disque Adoção através do número (32)3223-9933. O canil fica aberto para visitação das 9h às 10h30 e das 13h às 15h30. O endereço é Rua Bartolomeu dos Santos, bairro São Damião, entre os bairros Benfica e Santa Cruz, na zona Norte.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Anúncios