Corrida da Fogueira resgata glamour, história e tradição nos pés dos atletas

:: Prefeitura em 17/07/2017 18:45 ::

1707_pjf_corrida_fogueira_cm_2_182245.jpg
Faltam cinco dias para o resgate do glamour, da história e da tradição da Corrida da Fogueira, realizada pela Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), através da Secretaria de Esporte e Lazer (SEL). E este ano o evento comemora o número emblemático de 70 provas realizadas, começando na Praça do Bairro Bom Pastor, às 19h15, reunindo cerca de 2.200 pessoas.

Ali é o ponto de partida de um roteiro de sete quilômetros a ser percorrido, caminhando ou correndo, por atletas das categorias feminina, masculina e pessoas com deficiência, de várias faixas etárias.

Tudo começou em uma festa junina, caracterizada pela alegria em torno do calor da fogueira, na década de 40. Um entusiasta do esporte, Vicente Ferreira dos Santos, teve a ideia de promover uma corrida de rua, reunindo alguns amigos, a fim de divulgar seu próprio evento, no Bairro Mariano Procópio. Foi assim que, em 23 de junho de 1942, 47 atletas ouviram o sinal da largada da 1ª Corrida da Fogueira, que teve percurso de sete quilômetros. O vencedor da primeira edição foi Pedro Marciano da Silva, atleta do Mangueira Futebol Clube, de São João Nepomuceno, com o tempo de 23m58s. Após a premiação, o vencedor teve a honra de acender a fogueira da festa, e isso se perpetuou por várias décadas. Naquela época, poucas corridas de rua eram realizadas no país, e, com o tempo, a Corrida da Fogueira se tornou a maior prova do pedestrianismo de Minas Gerais, contribuindo decisivamente para o crescimento do esporte no Brasil.

Na década de 70, a prova recebeu incentivo dos órgãos ligados ao desenvolvimento do esporte brasileiro, inclusive do Conselho Nacional do Desporto (CND), atraindo grandes nomes, como o maior meio-fundista equatoriano daquela época, Pedro Zurita, em 1975. Em 1976, as mulheres começaram a participar do evento, e a primeira campeã foi a atleta Sandra Paula Ferreira. A corrida só não foi realizada em 1964, devido ao golpe militar, e entre 1980 e 1983, quando o Sport Club Mariano Procópio perdeu as condições para realizar o evento. A partir de 1984, após negociações com seus criadores, a prova passou a ser promovida pelo Departamento de Esportes da Secretaria Municipal de Educação da PJF.

Nas décadas de 80 e 90 entraram para a história os duelos entre Joel Elídio de Faria, José da Conceição e Hélio Oliveira. Outros nomes consolidaram cada vez mais o prestígio do evento, como Viviany Anderson, Geraldo Francisco de Assis, João da Mata e Ronaldo da Costa.

Foto: Carlos Mendonça

* Informações com a Assessoria de Comunicação da SEL pelos telefones 3690-7829.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Anúncios