Talvez haja algo limitador em tratar uma vida plena como uma vida feliz

:: Vladimir Safatle em 18/08/2017 03:32 ::

Para os gregos, felicidade não era uma palavra que se conjugava no particular. Aristóteles, por exemplo, lembrava que a felicidade (eudaimonia) era a atividade de acordo com a virtude. Leia mais (08/18/2017 – 02h03)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

A razão em Pascal tem por objeto o reconhecimento da desmesura

:: Vladimir Safatle em 11/08/2017 03:31 ::

“Do Espírito Geométrico e da Arte de Persuadir e Outros Escritos de Ciência, Política e Fé” é uma coletânea de textos de Blaise Pascal enfim traduzidos e editados em português em edição cuidadosa de Flávio Fontenelle Loque (Autêntica, 192 págs.). Leia mais (08/11/2017 – 02h10)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

O silêncio

:: Vladimir Safatle em 04/08/2017 03:11 ::

Há algo de instrutivo no ritual que o Congresso Nacional ofereceu ao país na última quarta-feira, quando um ocupante do cargo da Presidência, gravado em situação flagrante de prevaricação e corrupção passiva, formalmente denunciado pela Procuradoria Geral da União, foi poupado. Leia mais (08/04/2017 – 02h00)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Bolaño talvez seja o que melhor entendeu o que é escrever a violência

:: Vladimir Safatle em 28/07/2017 03:58 ::

Roberto Bolaño (1953-2003) foi um dos escritores latino-americanos que talvez melhor tenha compreendido o que significa escrever a violência. Pois, no fundo, é possível que a América Latina seja inicialmente isso: uma forma de violência. Leia mais (07/28/2017 – 02h00)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Autocrítica e vontade

:: Vladimir Safatle em 21/07/2017 03:20 ::

Uma das palavras mais evitadas na política brasileira atual é “autocrítica”. Para muitos, ela é sinal de fraqueza, coisa de quem tem a estranha compulsão por jogar no time adversário ou o infantilismo de quem desconhece a dureza da realidade do embate político. Leia mais (07/21/2017 – 02h18)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

O golpe final

:: Vladimir Safatle em 14/07/2017 03:07 ::

Aqueles que, nas últimas décadas, acreditaram que o caminho do Brasil em direção a transformações sociais passava necessariamente pelo gradualismo deveriam meditar profundamente nesta semana de julho. Leia mais (07/14/2017 – 02h00)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

A razão e suas sombras

:: Vladimir Safatle em 07/07/2017 03:42 ::

O pensamento sociológico brasileiro conheceu, nas últimas décadas, um esforço sistemático de redimensionamento da crítica social. Na esteira de uma relação profícua e constante com a filosofia, ele procurou, em alguns dos seus melhores momentos, mostrar como não há crítica social àquilo que aparece aos sujeitos como experiência de injustiça que não seja fundamentada, em seu sentido mais decisivo, em uma crítica da razão. Leia mais (07/07/2017 – 02h00)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Deixar quebrar

:: Vladimir Safatle em 30/06/2017 03:19 ::

Alguém precisa salvar o Brasil de seus salvadores. Neste momento em que, pela primeira vez em sua história, o país tem um presidente em exercício denunciado por crime, é sintomático a quantidade de vozes a ocupar a imprensa a fim de falar da “responsabilidade para com a nação”, do “temos um compromisso com o país”, do “não podemos deixar o país parar”. Leia mais (06/30/2017 – 02h35)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Existem realmente paixões tristes?

:: Vladimir Safatle em 23/06/2017 04:06 ::

Há algumas dicotomias que parecem ter a força de atravessar o tempo e se imporem a nós com uma evidência inaudita. Em filosofia, conhecemos várias delas, assim como conhecemos suas maneiras de orientar o pensamento e as ações. Leia mais (06/23/2017 – 02h15)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

O cinismo é uma forma de racionalidade

:: Vladimir Safatle em 16/06/2017 03:04 ::

17166244.jpeg

Freud nos traz um relato no qual um homem, depois de cuidar por meses de seu pai doente que acabara de morrer, começa a sonhar que ele estava novamente em vida e que lhe falava normalmente. Esse sonho era vivenciado de forma extremamente dolorosa, já que o pai agia de maneira natural, mas a condição de não saber que estava morto. Ao produzir um sonho dessa natureza, o sujeito demonstrava estar preso em um tempo assombrado por mortos que não estavam enterrados, mortos que ocupavam o lugar dos vivos, repetindo cenas e rituais que não tinham mais sentido algum, pois cenas e rituais de um morto que luta por não querer saber.
Continuar lendo